domingo, 9 de janeiro de 2011

Pressão Intra-abdominal


Tendo em vista que a cavidade intra-abdominal contém principalmente material fluido e viscoso, ela pode ser considerada um elemento não comprimível que pode transmitir forças a partir dos músculos que cercam a cavidade para as estruturas de suporte do tronco. Os músculos em torno da cavidade abdominal incluem anteriormente os músculos abdominais (reto abdominal, oblíquos internos e externos e transverso do abdome), em cima o diafragma e em baixo os músculos do soalho pélvico. A pressurização voluntária da cavidade abdominal é chamada de manobra de Valsalva. A pressão intra-abdominal (Fi), medida em pascal (Pa; 1 Pa = 1N/m2), pode ser aumentada pelo fechamento da epiglote e ativação de vários músculos do tronco e abdome (Cresswell, Grundstrom & Thortensson, 1992). Quando os músculos do tronco são ativados isso faz com que a pressão intratorácica também aumente, além do aumento da pressão intra-abdominal. Durante as atividades de levantamento de peso e salto, as pressões intratorácica e intra-abdominal tendem a se alterar em paralelo; a pressão intra-abdominal é normalmente maior (Harman, Frykman, Clagett & Kraemer, 1988).
A pressão intra-abdominal tem sido proposta como um mecanismo para reduzir a carga sobre os músculos da coluna durante as tarefas de elevação da carga (Bartelink, 1957; Cresswell, 1993; McGill & Norman, 1993; J. M. Morris, Lucas & Bressler, 1961). A figura abaixo mostra e esse efeito durante a elevação de uma massa de 91 Kg. O sistema se compõe da parte superior do corpo acima da articulação lombrossacral.

Esse sistema interage com seu meio ambiente com três valores de peso – peso da cabeça-pescoço-braços (F p,cpb), peso do tronco (F p,t) e uma carga de 91 Kg (F p,c) – todas agindo verticalmente para baixo, uma força muscular resultante devida aos músculos extensores da coluna e do quadril, um força de reação articular e uma força extensora atribuída à pressão intra-abdominal. Quando a pressão intra-abdominal não é levada em consideração, os músculos da coluna e do quadril precisam exercer uma força (F m) de 8223N e a força de reação articular (F a) precisa ser de 9216N somente para agüentar a carga (figura a). Entretanto, quando uma pressão intra-abdominal de 19,7 kPa (força de 810N) é incluída no cálculo, F m é reduzida a 6403N e F a fica em 6599N (figura b).
A despeito da correlação entre os vários movimentos e as mudanças na pressão intra-abdominal, há controvérsias quanto ao papel funcional desse efeito mecânico (Marras & e Mirka, 1992). Foi proposto, por exemplo, que um dos efeitos da pressão intra-abdominal é reduzir as forças compressivas que agem sobre os discos intervertebrais. Entretanto, Nachemson, Andersson e Schultz (1986) mostraram que muito embora a manobra de Valsalva aumente a pressão intra-abdominal, ela também pode aumentar a pressão sobre o núcleo de L3 para algumas tarefas moderadas. No entanto, para a tarefa mais estafante, em que os indivíduos se inclinam para frente 0,53 rad enquanto sustentam um peso de 8kg nos braços extendidos, uma manobra de Valsalva aumentou a pressão intra-abdominal de 4,35 kPa para 8,25 kPa e reduziu a pressão intradiscal de 1625 kPa para 1488 kPa.

Como uma pressão em um volume restrito, a pressão intra-abdominal exerce uma força sobre a área de superfície da cavidade abdominal. A força que a pressão intra-abdominal exerce sobre o tronco é normalmente calculada como o produto da pressão intra-abdominal pela área de superfície do diafragma, o que J. M. Morris et al. (1961) estimaram ser de cerca de 0,0465 m2 para um adulto.  Se essa estimativa for combinada com a pressão intra-abdominal de pico de 25kPa mostrada na figura abaixo, então a força agindo sobre o diafragma, devida à pressão intra-abdominal, seria de aproximadamente de 1163N durante o levantamento com agachamento. Claramente, esta não é uma força insignificante em termos do movimento humano.

ENOKA 2000 p.54-56

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário